Informativo Cidade Nova Informa - CNI e Biblioteca Comunitária - CNI - Oficinas CNI

Levantar ouvir as aves cantar.
Ver você navegar na onda de informatizar
E escrevendo para todo o lugar
Aonde eu não vou imaginar
Não sabem da aonde vem à onda,
Se do rio ou do mar
Esta distância vai alcançar
È dois ou cinco vinte anos se passaram
Uma hora vai da certo  fico a imaginar
Navegar e morar em alto mar
Poesia Jose Batista


 Oficina de fotografia Cinefotoclube TA'ANGA na Biblioteca Comunitária CNI  10 e 11 de março   09hrs as 18hrs

Oficina de fotografia Cinefotoclube TA'ANGA na Biblioteca Comunitária CNI
10 e 11 de março
09hrs as 18hrs



Tão Pouco serei para mudar uma tempestade
Serei tão Pequeno para mudar leito de um rio
Serei sol que nasce na imensidão
Levando esperança para população
Muito de gravata com livro n mão
Esquece do povo e roubam a nação

Poesia-Ator
Jose Batista

Certo dia na beira de um rio
Cachorro latindo nada viu
Homem assistindo tomando de barril
Cana era doce, sem ser doce

Na escuridão, um cavalo azulão
Um homem montado, na imensidão
Coruja gritando na plantação
Homem com medo cheio de imaginação
Pensar sem achar solução
Você querendo sem mostrar demonstração
Quanto tempo, esperando essa solução


por  José Batista
03/03/2018  as  10:01


Porque a competência de alguns lideres é diferente do resto da população, antes de fazer alguma construção veja se a população esta de acordo. A criança a mais de vinte anos vem sofrendo por não ter um local adequado para fazer estudo Bíblico à catequese, Sabem que tem mais de cem crianças que fazem catequeses,quando chove tem suspender ou fazer mutuado de crianças,isso é uma tristeza, esta na hora de pensar, de estruturar, respeitar a palavra de Deus ensinamento, em local adequado com ar condicionado alimentação e muito mais.
Antes de fazer murro e colocar grades teria de comunicar a comunidade pensante se estar de acordo, na opinião de alguns líder deveria construir com pré moldado em baixo aérea para fazer eventos em cimas varias sala de reuniões, computadores, televisão passar filme Bíblicos para trabalhar com crianças na catequese.
Um post no Facebook, veremos abaixo,  feito por um professor de Gana viralizou na internet e emocionou milhares de pessoas. A escassez de recursos não foi desculpa para que ele não ensinasse TCI (Tecnologia de Comunicação e Informação) aos seus alunos. Sem computador, ele ensina tudo na lousa!

Um post no Facebook, veremos abaixo,  feito por um professor de Gana viralizou na internet e emocionou milhares de pessoas. A escassez de recursos não foi desculpa para que ele não ensinasse TCI (Tecnologia de Comunicação e Informação) aos seus alunos. Sem computador, ele ensina tudo na lousa!

O 8° Encontro Luso-Brasileiro de História da Matemática será um evento marcado pela junção da história e da contemporaneidade, onde seus participantes terão a oportunidade de desfrutar de belíssimos cenários naturais, além de diversas maravilhas tecnológicas e culturais.    Objetivos do evento:   Incentivar o intercâmbio entre pesquisadores brasileiros e portugueses que trabalham na área de História da Matemática. Divulgar e discutir as pesquisas realizadas em História da Matemática e/ou no âmbito das relações entre História, Epistemologia e Ensino de Matemática. Difundir a História da Matemática entre professores dos Ensinos Fundamental, Médio e Superior e entre alunos de graduação e pós-graduação em Matemática, Educação Matemática, História das Ciências e áreas afins.   COMISSÕES  Comissão Científica:    Em Portugal:   Carlota Simões (Universidade de Coimbra) Fernando Figueiredo (CITEUC, Universidade de Coimbra) Henrique Guimarães (Instituto de Educação, Universidade de Lisboa) João Caramalho Domingues (Universidade do Minho) Luís Saraiva (Universidade de Lisboa) - Coordenador em Portugal Mária Almeida (U. Nova de Lisboa/Agrupamento de Escolas dos Casquilhos)   No Brasil:   Iran Abreu Mendes (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) Lígia Arantes Sad (Instituto Federal do Espírito Santo) Sergio Nobre (Universidade Estadual Paulista, Rio Claro) - Coordenador no Brasil Fumikazu Saito (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Wagner Rodrigues Valente (Universidade Federal de São Paulo) Marcos Vieira Teixeira (Universidade Estadual Paulista, Rio Claro) Comissão Organizadora Local:  José Ricardo Souza Kelly Roberta Mazzutti Lübeck Luciano Panek Marcos Lübeck - Coordenador local Nayene Micheli Paião Panek Renata Camacho Bezerra Vanessa Lucena Camargo de Almeida Klaus Organização     Sociedade Brasileira de História da Matemática Seminário Nacional de História da Matemática/Sociedade Portuguesa de Matemática Colegiado de Matemática da UNIOESTE de Foz do Iguaçu    LOCAL  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE  Centro de Engenharias e Ciências Exatas - CECE  Parque Tecnológico Itaipu - PTI  Av. Tancredo Neves, nº 6731  Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil      INCRIÇÕES  http://www.elbhm.com  elbhm2018@gmail.com

O 8° Encontro Luso-Brasileiro de História da Matemática será um evento marcado pela junção da história e da contemporaneidade, onde seus participantes terão a oportunidade de desfrutar de belíssimos cenários naturais, além de diversas maravilhas tecnológicas e culturais.

Objetivos do evento:
  • Incentivar o intercâmbio entre pesquisadores brasileiros e portugueses que trabalham na área de História da Matemática.
  • Divulgar e discutir as pesquisas realizadas em História da Matemática e/ou no âmbito das relações entre História, Epistemologia e Ensino de Matemática.
  • Difundir a História da Matemática entre professores dos Ensinos Fundamental, Médio e Superior e entre alunos de graduação e pós-graduação em Matemática, Educação Matemática, História das Ciências e áreas afins.

COMISSÕES
Comissão Científica:

Em Portugal:
  • Carlota Simões (Universidade de Coimbra)
  • Fernando Figueiredo (CITEUC, Universidade de Coimbra)
  • Henrique Guimarães (Instituto de Educação, Universidade de Lisboa)
  • João Caramalho Domingues (Universidade do Minho)
  • Luís Saraiva (Universidade de Lisboa) - Coordenador em Portugal
  • Mária Almeida (U. Nova de Lisboa/Agrupamento de Escolas dos Casquilhos)

No Brasil:
  • Iran Abreu Mendes (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)
  • Lígia Arantes Sad (Instituto Federal do Espírito Santo)
  • Sergio Nobre (Universidade Estadual Paulista, Rio Claro) - Coordenador no Brasil
  • Fumikazu Saito (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)
  • Wagner Rodrigues Valente (Universidade Federal de São Paulo)
  • Marcos Vieira Teixeira (Universidade Estadual Paulista, Rio Claro)
Comissão Organizadora Local:
  • José Ricardo Souza
  • Kelly Roberta Mazzutti Lübeck
  • Luciano Panek
  • Marcos Lübeck - Coordenador local
  • Nayene Micheli Paião Panek
  • Renata Camacho Bezerra
  • Vanessa Lucena Camargo de Almeida Klaus

  • Organização
    Sociedade Brasileira de História da Matemática Seminário Nacional de História da Matemática/Sociedade Portuguesa de Matemática Colegiado de Matemática da UNIOESTE de Foz do Iguaçu

    Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
    Centro de Engenharias e Ciências Exatas - CECE
    Parque Tecnológico Itaipu - PTI
    Av. Tancredo Neves, nº 6731
    Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil

    INCRIÇÕES
    elbhm2018@gmail.com


    por Botura Souza, Marcelo 
    28/02/2019 as 09:52Am








    Neste segundo mês do ano de 2018 foram encontrado no bairro Cidade Nova II, dois morcego positivo para RAIVA, se alguma pessoa encontrarem, morcego caído no chão não tente manipular,ligue imediato para Centro Controle de Zoonose - CCZ, (45) 3524-8848, (45) 99997-4448, morcego é protegido lei. 


    O que é Raiva?

    A raiva é uma infecção viral mortal transmitida para seres humanos a partir da saliva de animais infectados – geralmente por uma mordida Qualquer mamífero é capaz de transmitir raiva. Os que mais costumam causar a doença são:


    Animais domésticos e de fazenda:

    • Gatos
    • Cachorros
    • Vacas
    • Furões
    • Cabras
    • Cavalos
    • ...
    Animais selvagens:
    • Morcegos
    • Castores
    • Coiotes
    • Raposas
    • Macacos
    • Guaxinins
    • Gambás
    • Marmotas
    • ...

    por Jose Batista
    28/02/2018 as 07:57 Am Atualizada 28/11/2018 09:10Am
    Moradores do bairro, como: Miriam Ferreira, Pamela Melo, Janete, Sandra, Fabio Brito, Lauani Techeira, Dayne E. Wiltte, Elina R. Dias, Sandro Rios, JairPussini, Douglas Andrei, Janice Adriana, entre outros do Cidade Nova II convocaram a Associação de Moradores do Bairro Cidade Nova II, pelo seu presidente Edinaldo, para prestar contas aos assuntos pertinentes ao descartes de lixos em lugares incorretos. Cerca de, 27 moradores encontravam-se na sede do Cidade Nova Informa – CNI, a Biblioteca Comutaria – CNI na rua Elói Armando Nedel, 1332. O presidente do informativo CNI, José Batista, abriu a reunião passando a fala aos moradores que solicitaram a reunião.  Residentes do local, já não suportam as situações de desleixos que se encontra a o bairro, pois as circunstâncias passaram dos limites. Crianças cortaram o pé com cacos de vidros. Cachorros, gatos mortos são depositados no lugar. Moveis velhos, estantes, televisões, sofás, computadores etc., já estão pela a rua por uma quantidade exorbitante. Galhos, entulhos, folhagens, madeiras, tijolos, roupas, lixo de banheiro sendo lugar propicio para bichos peçonhentos. Lugar perfeito para multiplicação de diversas doenças, como: Dengue, Leishmaniose entre outras.   A comunidade não aguentam e aponta os diversos pontos de concentração de lixo expressivo no bairro, pois ocorreu como uma ideia que não deu certo da antiga administração da associação.  Em defesa da nova equipe da, Associação Cidade Nova II, as coisas estão sendo feitas, porém, não sendo divulgadas. Concertos da trave de futebol, limpeza de alguns pontos da vila, fiscalizando a construção do novo posto de saúde entre outros, diz presidente do concelhos fiscal Nelson Carvalho.  O atual presidente, José Batista, do (CNI) Cidade Nova Informa, expôs em reunião que as soluções não podem serem paliativas e deverão ser realmente solucionadas, ou seja, devemos por um fim. Desta forma, alguns moradores deverão ser conscientizado do problemas do lixo. A Escola, o CMEI, o Colégio e a Biblioteca Comunitária terá o papel fundamental para a mudança.   Durante a existência do CNI, desenvolvemos diversos mutirões de conscientização e coleta de lixo. Na época, até que obtemos resultados e hoje colhemos pequenas transformações de sucesso. Uma fantástica ideia que deu resultado foi lotes abandonados, sendo adotados por moradores, no qual, encontrava com diversos entulhos, matos entro outros, sendo realizado neste espaço, uma transformação, fazendo horta, plantando hortaliças diversas, além de mandioca, milhos, feijão, quiabo etc. Desta maneira, a solução não deve ser somente paliativa, mas sim uma construção de conscientização dos moradores que moram na comunidade - conclui Pedrinho Aparecido.  Ana, Agente Comunitária de Saúde (ACS), expõe quea  falta de educação, respeito, limpeza, cuidado reflete para com a Unidade de Saúde do bairro. Desta forma, os moradores tem que se conscientizar com o zelo da comunidade, sendo assim, referências de um bairro organizado.   Associação atualmente com cinco (5) meses de mandato, no qual, estamos trabalhando, mesmos fora dos holofotes. A legalização jurídica, a legalidade, é crucial para o funcionamento da Associação. Sendo que recentemente encontrava-se em um verdadeiros caos, pois antigos administradores não corresponderam com a expectativa e os documentos são importante para com forma correta de se trabalhar na legalidade com órgão públicos e privados, além do mais este é p nosso entrave para o avanços. Diz Edinaldo.  E, continua, dentre este período, com ajuda de parceiros como CNI entre outros, limpamos o entorno do campo de futebol do bairro, estamos reformando o barracão que estava depredado, trouxemos a segunda academias, novos pontos de ônibus, bocas de lobos da rua sendo limpadas, luz dos postes a noite são verificadas fazendo rondas para serem arrumadas, diversos documentos feitos para solicitações de melhorias para o bairro, dentre de várias atividades estamos trabalhando.  O presidente da Associação persiste, estamos ciente sobre os diversos lotes e canteiros cheios de matos os pontos de lixos que está transbordando pela enorme quantidade que encontra no bairro Cidade Nova II. Estamos trabalhando. Precisamos da comunidade a nos apoias, ajudar cuidar, pois não adianta nada limpar hoje sendo que amanhã está tudo sujo novamente.  Elza Mendes, secretária do CNI, na reunião, prosseguiu para com os encaminhamentos. De primeiro, momento buscar solucionar já a limpeza destes terrenos, a campanha adote-se um terreno. Criar novas reuniões, com mais pessoas da comunidade, chamando os órgãos públicos como a presença da Guarda-Municipal, Defesa Civil, CCZ, Polícia Militar entre outros. Chamar os professores da Escola Jorge Amado, CMEI e do Colégio Estadual Ipê Roxo para ajudar na conscientização e esclarecimentos da população do bairro. Diversas placas espalhadas no bairro “Não Jogue Lixo”. O Informativo e Biblioteca – CNI ajudará com apoio logístico e documentos, assim como, os seus membros no que for preciso.  E a reunião se findou tendo a certeza da mudança. A limpeza e a conscientização chegou para mudar o bairro Cidade Nova em 2018. Isto tudo se torna possível quando a comunidade se uni, pois a união traz a solução.Associação de Moradores bairro  Cidade Nova II prestando conta  sobre limpeza dos lixos em lugares incorretos

    Moradores do bairro, como: Miriam Ferreira, Pamela Melo, Janete, Sandra, Fabio Brito, Lauani Techeira, Dayne E. Wiltte, Elina R. Dias, Sandro Rios, Jair Pussini, Douglas Andrei, Janice Adriana, entre outros, do Cidade Nova II, convocaram a Associação de Moradores do Bairro Cidade Nova II, representado pelo seu presidente Edinaldo, para prestar contas aos assuntos pertinentes ao descartes de lixos em lugares incorretos. Cerca de, 27 moradores, encontravam-se na sede do Cidade Nova Informa – CNI, a Biblioteca Comutaria – CNI na rua Elói Armando Nedel, 1332. O presidente do informativo CNI, José Batista, abriu a reunião passando a fala aos moradores que solicitaram a reunião.

    Residentes do local, não suportam os desleixos que encontram no bairro, pois as circunstâncias já passaram dos limites. Crianças cortando o pé com cacos de vidros. Cachorros e gatos mortos são depositados no lugar. Moveis velhos, estantes, televisões, sofás, computadores etc., já estão pela a rua devida a quantidade exorbitante de lixo. Galhos, entulhos, folhagens, madeiras, tijolos, roupas, lixo de banheiro sendo lugar propício para os bichos peçonhentos, ou seja, lugar perfeito para multiplicação de diversas doenças, como: Dengue, Leishmaniose entre outras. 

    A comunidade não aguenta mais e apontam as diversas concentração de lixos expressivo no bairro, pois ocorreu de uma ideia que não deu certo da antiga administração da Associação.

    Em defesa da nova equipe da, Associação Cidade Nova II, as coisas estão sendo feitas, porém, não estão sendo divulgadas. Concertos de traves de futebol, limpeza de alguns pontos da vila como corte de mato, diretamente de olho na fiscalização da construção do novo Posto de Saúde entre outros, diz presidente do concelhos fiscal Nelson Carvalho.

    O atual presidente, José Batista, do (CNI) Cidade Nova Informa, expôs na reunião que as soluções não podem ser paliativas e deveram ser realmente solucionadas, ou seja, devemos por um fim. Desta forma, alguns moradores deverão ser conscientizado do problemas do lixo. A Escola, o CMEI, o Colégio e a Biblioteca Comunitária terá o papel fundamental para a mudança. 

    Durante a existência do CNI, desenvolvemos diversos mutirões de conscientização e coleta de lixo. Na época, até que obtemos resultados. Hoje colhemos pequena transformação de sucesso. Uma importante ideia que obteve resultado. Lotes abandonados que encontravam com diversos entulhos, matos etc., sendo adotados por moradores, fazendo horta e plantando hortaliças diversas, além de mandioca, milhos, feijões, quiabos... Desta maneira, a solução não deve ser somente atenuante, mas uma construção de conscientização dos moradores que moram na comunidade - conclui Pedrinho Aparecido.

    Ana, Agente Comunitária de Saúde (ACS), expõe a  falta de educação, do respeito, da limpeza e do cuidado, dado que isto reflete na Unidade de Saúde do bairro. Desta forma, os moradores deverão serem conscientizados com o zelo da comunidade, sendo assim, referências de um bairro organizado. 

    Associação de Moradores do Cidade Nova II,  atualmente com cinco (5) meses de mandato,  está trabalhando, mesmos fora dos holofotes. A legalização jurídica, a legalidade, é crucial para o funcionamento. Quando assumimos recentemente associação encontrava-se em um verdadeiros caos, porque, os antigos administradores não corresponderam com a expectativa deixando os documentos na ilegalidade, pois estar na lei é fator importante para a forma correta de trabalhar com órgãos públicos e privados. Desta maneira, não tivemos avanços expressivos devido ao nosso entrave da juridicidade. Diz Edinaldo.

    E, continua, dentre este período, com ajuda de parceiros, como CNI, entre outros, limpamos o entorno do campo de futebol, reformamos quase todos o barracão que estava depredado, trouxemos a segunda acadêmia, novos pontos de ônibus foram colocados, boa parte da bocas de lobos já limpas, luz de postes sendo verificadas, com rondas dos membros da atual associação, diversos documentos feitos para solicitações de melhorias, dentre de várias atividades sendo articuladas para serem feitas.

    Edinaldo, diz que está consciente sobre os diversos lotes abandonados e canteiros cheios de matos. Bota fora, "o lixão", deverão ser erradicados como pontos de lixos, pois estão transbordando pela enorme quantidade. Estamos trabalhando e precisamos do apoio da comunidade  para ajudar cuidar, isto é, não adianta nada limpar hoje sendo que amanhã está tudo sujo novamente.

    Elza Mendes, secretária do CNI, prosseguiu com os encaminhamentos. Primeiro, momento buscar solucionar já com a limpeza destes dos diversos terrenos do bairro que encontra como lixão; a campanha adote-se um terreno; criar novas reuniões com mais pessoas da comunidade chamando os órgãos públicos, como: a presença da Guarda-Municipal, Defesa Civil, CCZ, Polícia Militar entre outros; chamar os professores da Escola Jorge Amado, CMEI e do Colégio Estadual Ipê Roxo para ajudar na conscientização e esclarecimentos da população do bairro; diversas placas espalhadas no bairro “Não Jogue Lixo” e informando a lei municipal da punição; e o Informativo e Biblioteca – CNI ajudará com apoio logístico e documentos, assim como, os seus membros no que for preciso.

    A reunião, findou-se tendo a certeza da mudança. A limpeza e a conscientização chegou para mudar o bairro Cidade Nova em 2018. Isto tudo, se tornará possível quando a comunidade se uni, ou seja, a união traz a solução.


    Moradores do bairro, como: Miriam Ferreira, Pamela Melo, Janete, Sandra, Fabio Brito, Lauani Techeira, Dayne E. Wiltte, Elina R. Dias, Sandro Rios, JairPussini, Douglas Andrei, Janice Adriana, entre outros do Cidade Nova II convocaram a Associação de Moradores do Bairro Cidade Nova II, pelo seu presidente Edinaldo, para prestar contas aos assuntos pertinentes ao descartes de lixos em lugares incorretos. Cerca de, 27 moradores encontravam-se na sede do Cidade Nova Informa – CNI, a Biblioteca Comutaria – CNI na rua Elói Armando Nedel, 1332. O presidente do informativo CNI, José Batista, abriu a reunião passando a fala aos moradores que solicitaram a reunião.  Residentes do local, já não suportam as situações de desleixos que se encontra a o bairro, pois as circunstâncias passaram dos limites. Crianças cortaram o pé com cacos de vidros. Cachorros, gatos mortos são depositados no lugar. Moveis velhos, estantes, televisões, sofás, computadores etc., já estão pela a rua por uma quantidade exorbitante. Galhos, entulhos, folhagens, madeiras, tijolos, roupas, lixo de banheiro sendo lugar propicio para bichos peçonhentos. Lugar perfeito para multiplicação de diversas doenças, como: Dengue, Leishmaniose entre outras.   A comunidade não aguentam e aponta os diversos pontos de concentração de lixo expressivo no bairro, pois ocorreu como uma ideia que não deu certo da antiga administração da associação.  Em defesa da nova equipe da, Associação Cidade Nova II, as coisas estão sendo feitas, porém, não sendo divulgadas. Concertos da trave de futebol, limpeza de alguns pontos da vila, fiscalizando a construção do novo posto de saúde entre outros, diz presidente do concelhos fiscal Nelson Carvalho.  O atual presidente, José Batista, do (CNI) Cidade Nova Informa, expôs em reunião que as soluções não podem serem paliativas e deverão ser realmente solucionadas, ou seja, devemos por um fim. Desta forma, alguns moradores deverão ser conscientizado do problemas do lixo. A Escola, o CMEI, o Colégio e a Biblioteca Comunitária terá o papel fundamental para a mudança.   Durante a existência do CNI, desenvolvemos diversos mutirões de conscientização e coleta de lixo. Na época, até que obtemos resultados e hoje colhemos pequenas transformações de sucesso. Uma fantástica ideia que deu resultado foi lotes abandonados, sendo adotados por moradores, no qual, encontrava com diversos entulhos, matos entro outros, sendo realizado neste espaço, uma transformação, fazendo horta, plantando hortaliças diversas, além de mandioca, milhos, feijão, quiabo etc. Desta maneira, a solução não deve ser somente paliativa, mas sim uma construção de conscientização dos moradores que moram na comunidade - conclui Pedrinho Aparecido.  Ana, Agente Comunitária de Saúde (ACS), expõe quea  falta de educação, respeito, limpeza, cuidado reflete para com a Unidade de Saúde do bairro. Desta forma, os moradores tem que se conscientizar com o zelo da comunidade, sendo assim, referências de um bairro organizado.   Associação atualmente com cinco (5) meses de mandato, no qual, estamos trabalhando, mesmos fora dos holofotes. A legalização jurídica, a legalidade, é crucial para o funcionamento da Associação. Sendo que recentemente encontrava-se em um verdadeiros caos, pois antigos administradores não corresponderam com a expectativa e os documentos são importante para com forma correta de se trabalhar na legalidade com órgão públicos e privados, além do mais este é p nosso entrave para o avanços. Diz Edinaldo.  E, continua, dentre este período, com ajuda de parceiros como CNI entre outros, limpamos o entorno do campo de futebol do bairro, estamos reformando o barracão que estava depredado, trouxemos a segunda academias, novos pontos de ônibus, bocas de lobos da rua sendo limpadas, luz dos postes a noite são verificadas fazendo rondas para serem arrumadas, diversos documentos feitos para solicitações de melhorias para o bairro, dentre de várias atividades estamos trabalhando.  O presidente da Associação persiste, estamos ciente sobre os diversos lotes e canteiros cheios de matos os pontos de lixos que está transbordando pela enorme quantidade que encontra no bairro Cidade Nova II. Estamos trabalhando. Precisamos da comunidade a nos apoias, ajudar cuidar, pois não adianta nada limpar hoje sendo que amanhã está tudo sujo novamente.  Elza Mendes, secretária do CNI, na reunião, prosseguiu para com os encaminhamentos. De primeiro, momento buscar solucionar já a limpeza destes terrenos, a campanha adote-se um terreno. Criar novas reuniões, com mais pessoas da comunidade, chamando os órgãos públicos como a presença da Guarda-Municipal, Defesa Civil, CCZ, Polícia Militar entre outros. Chamar os professores da Escola Jorge Amado, CMEI e do Colégio Estadual Ipê Roxo para ajudar na conscientização e esclarecimentos da população do bairro. Diversas placas espalhadas no bairro “Não Jogue Lixo”. O Informativo e Biblioteca – CNI ajudará com apoio logístico e documentos, assim como, os seus membros no que for preciso.  E a reunião se findou tendo a certeza da mudança. A limpeza e a conscientização chegou para mudar o bairro Cidade Nova em 2018. Isto tudo se torna possível quando a comunidade se uni, pois a união traz a solução.
    Associação de Moradores bairro  Cidade Nova II prestando conta  sobre limpeza dos lixos em lugares incorretos


    Moradores do bairro, como: Miriam Ferreira, Pamela Melo, Janete, Sandra, Fabio Brito, Lauani Techeira, Dayne E. Wiltte, Elina R. Dias, Sandro Rios, JairPussini, Douglas Andrei, Janice Adriana, entre outros do Cidade Nova II convocaram a Associação de Moradores do Bairro Cidade Nova II, pelo seu presidente Edinaldo, para prestar contas aos assuntos pertinentes ao descartes de lixos em lugares incorretos. Cerca de, 27 moradores encontravam-se na sede do Cidade Nova Informa – CNI, a Biblioteca Comutaria – CNI na rua Elói Armando Nedel, 1332. O presidente do informativo CNI, José Batista, abriu a reunião passando a fala aos moradores que solicitaram a reunião.  Residentes do local, já não suportam as situações de desleixos que se encontra a o bairro, pois as circunstâncias passaram dos limites. Crianças cortaram o pé com cacos de vidros. Cachorros, gatos mortos são depositados no lugar. Moveis velhos, estantes, televisões, sofás, computadores etc., já estão pela a rua por uma quantidade exorbitante. Galhos, entulhos, folhagens, madeiras, tijolos, roupas, lixo de banheiro sendo lugar propicio para bichos peçonhentos. Lugar perfeito para multiplicação de diversas doenças, como: Dengue, Leishmaniose entre outras.   A comunidade não aguentam e aponta os diversos pontos de concentração de lixo expressivo no bairro, pois ocorreu como uma ideia que não deu certo da antiga administração da associação.  Em defesa da nova equipe da, Associação Cidade Nova II, as coisas estão sendo feitas, porém, não sendo divulgadas. Concertos da trave de futebol, limpeza de alguns pontos da vila, fiscalizando a construção do novo posto de saúde entre outros, diz presidente do concelhos fiscal Nelson Carvalho.  O atual presidente, José Batista, do (CNI) Cidade Nova Informa, expôs em reunião que as soluções não podem serem paliativas e deverão ser realmente solucionadas, ou seja, devemos por um fim. Desta forma, alguns moradores deverão ser conscientizado do problemas do lixo. A Escola, o CMEI, o Colégio e a Biblioteca Comunitária terá o papel fundamental para a mudança.   Durante a existência do CNI, desenvolvemos diversos mutirões de conscientização e coleta de lixo. Na época, até que obtemos resultados e hoje colhemos pequenas transformações de sucesso. Uma fantástica ideia que deu resultado foi lotes abandonados, sendo adotados por moradores, no qual, encontrava com diversos entulhos, matos entro outros, sendo realizado neste espaço, uma transformação, fazendo horta, plantando hortaliças diversas, além de mandioca, milhos, feijão, quiabo etc. Desta maneira, a solução não deve ser somente paliativa, mas sim uma construção de conscientização dos moradores que moram na comunidade - conclui Pedrinho Aparecido.  Ana, Agente Comunitária de Saúde (ACS), expõe quea  falta de educação, respeito, limpeza, cuidado reflete para com a Unidade de Saúde do bairro. Desta forma, os moradores tem que se conscientizar com o zelo da comunidade, sendo assim, referências de um bairro organizado.   Associação atualmente com cinco (5) meses de mandato, no qual, estamos trabalhando, mesmos fora dos holofotes. A legalização jurídica, a legalidade, é crucial para o funcionamento da Associação. Sendo que recentemente encontrava-se em um verdadeiros caos, pois antigos administradores não corresponderam com a expectativa e os documentos são importante para com forma correta de se trabalhar na legalidade com órgão públicos e privados, além do mais este é p nosso entrave para o avanços. Diz Edinaldo.  E, continua, dentre este período, com ajuda de parceiros como CNI entre outros, limpamos o entorno do campo de futebol do bairro, estamos reformando o barracão que estava depredado, trouxemos a segunda academias, novos pontos de ônibus, bocas de lobos da rua sendo limpadas, luz dos postes a noite são verificadas fazendo rondas para serem arrumadas, diversos documentos feitos para solicitações de melhorias para o bairro, dentre de várias atividades estamos trabalhando.  O presidente da Associação persiste, estamos ciente sobre os diversos lotes e canteiros cheios de matos os pontos de lixos que está transbordando pela enorme quantidade que encontra no bairro Cidade Nova II. Estamos trabalhando. Precisamos da comunidade a nos apoias, ajudar cuidar, pois não adianta nada limpar hoje sendo que amanhã está tudo sujo novamente.  Elza Mendes, secretária do CNI, na reunião, prosseguiu para com os encaminhamentos. De primeiro, momento buscar solucionar já a limpeza destes terrenos, a campanha adote-se um terreno. Criar novas reuniões, com mais pessoas da comunidade, chamando os órgãos públicos como a presença da Guarda-Municipal, Defesa Civil, CCZ, Polícia Militar entre outros. Chamar os professores da Escola Jorge Amado, CMEI e do Colégio Estadual Ipê Roxo para ajudar na conscientização e esclarecimentos da população do bairro. Diversas placas espalhadas no bairro “Não Jogue Lixo”. O Informativo e Biblioteca – CNI ajudará com apoio logístico e documentos, assim como, os seus membros no que for preciso.  E a reunião se findou tendo a certeza da mudança. A limpeza e a conscientização chegou para mudar o bairro Cidade Nova em 2018. Isto tudo se torna possível quando a comunidade se uni, pois a união traz a solução.
    Associação de Moradores bairro  Cidade Nova II prestando conta  sobre limpeza dos lixos em lugares incorretos


    Moradores do bairro, como: Miriam Ferreira, Pamela Melo, Janete, Sandra, Fabio Brito, Lauani Techeira, Dayne E. Wiltte, Elina R. Dias, Sandro Rios, JairPussini, Douglas Andrei, Janice Adriana, entre outros do Cidade Nova II convocaram a Associação de Moradores do Bairro Cidade Nova II, pelo seu presidente Edinaldo, para prestar contas aos assuntos pertinentes ao descartes de lixos em lugares incorretos. Cerca de, 27 moradores encontravam-se na sede do Cidade Nova Informa – CNI, a Biblioteca Comutaria – CNI na rua Elói Armando Nedel, 1332. O presidente do informativo CNI, José Batista, abriu a reunião passando a fala aos moradores que solicitaram a reunião.  Residentes do local, já não suportam as situações de desleixos que se encontra a o bairro, pois as circunstâncias passaram dos limites. Crianças cortaram o pé com cacos de vidros. Cachorros, gatos mortos são depositados no lugar. Moveis velhos, estantes, televisões, sofás, computadores etc., já estão pela a rua por uma quantidade exorbitante. Galhos, entulhos, folhagens, madeiras, tijolos, roupas, lixo de banheiro sendo lugar propicio para bichos peçonhentos. Lugar perfeito para multiplicação de diversas doenças, como: Dengue, Leishmaniose entre outras.   A comunidade não aguentam e aponta os diversos pontos de concentração de lixo expressivo no bairro, pois ocorreu como uma ideia que não deu certo da antiga administração da associação.  Em defesa da nova equipe da, Associação Cidade Nova II, as coisas estão sendo feitas, porém, não sendo divulgadas. Concertos da trave de futebol, limpeza de alguns pontos da vila, fiscalizando a construção do novo posto de saúde entre outros, diz presidente do concelhos fiscal Nelson Carvalho.  O atual presidente, José Batista, do (CNI) Cidade Nova Informa, expôs em reunião que as soluções não podem serem paliativas e deverão ser realmente solucionadas, ou seja, devemos por um fim. Desta forma, alguns moradores deverão ser conscientizado do problemas do lixo. A Escola, o CMEI, o Colégio e a Biblioteca Comunitária terá o papel fundamental para a mudança.   Durante a existência do CNI, desenvolvemos diversos mutirões de conscientização e coleta de lixo. Na época, até que obtemos resultados e hoje colhemos pequenas transformações de sucesso. Uma fantástica ideia que deu resultado foi lotes abandonados, sendo adotados por moradores, no qual, encontrava com diversos entulhos, matos entro outros, sendo realizado neste espaço, uma transformação, fazendo horta, plantando hortaliças diversas, além de mandioca, milhos, feijão, quiabo etc. Desta maneira, a solução não deve ser somente paliativa, mas sim uma construção de conscientização dos moradores que moram na comunidade - conclui Pedrinho Aparecido.  Ana, Agente Comunitária de Saúde (ACS), expõe quea  falta de educação, respeito, limpeza, cuidado reflete para com a Unidade de Saúde do bairro. Desta forma, os moradores tem que se conscientizar com o zelo da comunidade, sendo assim, referências de um bairro organizado.   Associação atualmente com cinco (5) meses de mandato, no qual, estamos trabalhando, mesmos fora dos holofotes. A legalização jurídica, a legalidade, é crucial para o funcionamento da Associação. Sendo que recentemente encontrava-se em um verdadeiros caos, pois antigos administradores não corresponderam com a expectativa e os documentos são importante para com forma correta de se trabalhar na legalidade com órgão públicos e privados, além do mais este é p nosso entrave para o avanços. Diz Edinaldo.  E, continua, dentre este período, com ajuda de parceiros como CNI entre outros, limpamos o entorno do campo de futebol do bairro, estamos reformando o barracão que estava depredado, trouxemos a segunda academias, novos pontos de ônibus, bocas de lobos da rua sendo limpadas, luz dos postes a noite são verificadas fazendo rondas para serem arrumadas, diversos documentos feitos para solicitações de melhorias para o bairro, dentre de várias atividades estamos trabalhando.  O presidente da Associação persiste, estamos ciente sobre os diversos lotes e canteiros cheios de matos os pontos de lixos que está transbordando pela enorme quantidade que encontra no bairro Cidade Nova II. Estamos trabalhando. Precisamos da comunidade a nos apoias, ajudar cuidar, pois não adianta nada limpar hoje sendo que amanhã está tudo sujo novamente.  Elza Mendes, secretária do CNI, na reunião, prosseguiu para com os encaminhamentos. De primeiro, momento buscar solucionar já a limpeza destes terrenos, a campanha adote-se um terreno. Criar novas reuniões, com mais pessoas da comunidade, chamando os órgãos públicos como a presença da Guarda-Municipal, Defesa Civil, CCZ, Polícia Militar entre outros. Chamar os professores da Escola Jorge Amado, CMEI e do Colégio Estadual Ipê Roxo para ajudar na conscientização e esclarecimentos da população do bairro. Diversas placas espalhadas no bairro “Não Jogue Lixo”. O Informativo e Biblioteca – CNI ajudará com apoio logístico e documentos, assim como, os seus membros no que for preciso.  E a reunião se findou tendo a certeza da mudança. A limpeza e a conscientização chegou para mudar o bairro Cidade Nova em 2018. Isto tudo se torna possível quando a comunidade se uni, pois a união traz a solução.
    Associação de Moradores bairro  Cidade Nova II prestando conta  sobre limpeza dos lixos em lugares incorretos



    por Botura Souza, Marcelo
    24/02/2018 03:05Am atualizado 24/02/2018 19:43Pm



    Vozes Latinas

    A comunidade acadêmica reuniu-se nesta segunda-feira (13) para debater o tema “UNILA: comunicação, visibilidade no território e expressão na fronteira”. A discussão fez parte da quarta audiência pública do projeto Vozes Latinas, iniciativa da gestão da Universidade que visa socializar questões institucionais para a realização de diagnósticos e encaminhamentos propositivos com ativa participação da comunidade da UNILA. A audiência foi coordenada pela Pró-Reitoria de Extensão, pela Pró-Reitoria de Relações Institucionais e Internacionais e pela Secretaria de Comunicação Social. O encontro também contou com convidados externos, como a representante da Associação do Bairro Cidade Nova, Maria Elza Mendes; o diretor de Extensão da Universidad Nacional del Este (UNE), Juan Carlos Molina; a jornalista Denise Paro; e o representante da Cáritas em Foz do Iguaçu, padre Sérgio Bertotti.

    Conselho Universitário  A vaga destinada à comunidade externa no Conselho Universitário da UNILA (CONSUN) tem como nova representante a líder comunitária Maria Elza Mendes, membro da Associação Cidade Nova Informa (CNI). Maria Elza foi eleita na última Reunião Ordinária do Conselho, realizada no dia 27 de outubro, para o cargo de titular, tendo como suplente José Batista de Souza Filho. Essa é a quarta eleição destinada a escolher membros da comunidade externa para atuarem como conselheiros no CONSUN, que é a instância máxima de deliberação da Universidade.    A nova eleita, Maria Elza, é militante desde 1997 e atua como líder comunitária no bairro Cidade Nova, local onde a UNILA desenvolve projetos de extensão. Essa relação entre a comunidade do Cidade Nova e a Universidade teve como um dos marcos a aula inaugural de 2012, com a vinda do cantor de rap Gog, além da inauguração da biblioteca CNI.    “A partir desse instante, nós nos fortalecemos com os projetos de extensão da UNILA. Mas isso se tornou também uma responsabilidade nossa, enquanto moradores da comunidade. Com a Universidade utilizando nosso espaço, desenvolvendo suas atividades no bairro Cidade Nova, entendemos que, como instituição, temos um papel muito importante pelo vínculo que temos com os estudantes, professores e a Reitoria”, observa Maria Elza.    Ela pontua que sua contribuição será dentro de uma perspectiva de acolhimento da comunidade acadêmica no município. “Será um trabalho de dedicação e participativo. Questões de gênero, raça, etnia e diversidade, por exemplo, devem ser trabalhadas com afinco. Também acredito que todo processo público necessita da participação comunitária, independente da política, porque quando estamos de fora, conseguimos perceber mais os problemas, para tentar resolver de forma mais coerente”, complementa.


    Conselho Universitário
    A vaga destinada à comunidade externa no Conselho Universitário da UNILA (CONSUN) tem como nova representante a líder comunitária Maria Elza Mendes, membro da Associação Cidade Nova Informa (CNI). Maria Elza foi eleita na última Reunião Ordinária do Conselho, realizada no dia 27 de outubro, para o cargo de titular, tendo como suplente José Batista de Souza Filho. Essa é a quarta eleição destinada a escolher membros da comunidade externa para atuarem como conselheiros no CONSUN, que é a instância máxima de deliberação da Universidade.

    A nova eleita, Maria Elza, é militante desde 1997 e atua como líder comunitária no bairro Cidade Nova, local onde a UNILA desenvolve projetos de extensão. Essa relação entre a comunidade do Cidade Nova e a Universidade teve como um dos marcos a aula inaugural de 2012, com a vinda do cantor de rap Gog, além da inauguração da biblioteca CNI.

    “A partir desse instante, nós nos fortalecemos com os projetos de extensão da UNILA. Mas isso se tornou também uma responsabilidade nossa, enquanto moradores da comunidade. Com a Universidade utilizando nosso espaço, desenvolvendo suas atividades no bairro Cidade Nova, entendemos que, como instituição, temos um papel muito importante pelo vínculo que temos com os estudantes, professores e a Reitoria”, observa Maria Elza.

    Ela pontua que sua contribuição será dentro de uma perspectiva de acolhimento da comunidade acadêmica no município. “Será um trabalho de dedicação e participativo. Questões de gênero, raça, etnia e diversidade, por exemplo, devem ser trabalhadas com afinco. Também acredito que todo processo público necessita da participação comunitária, independente da política, porque quando estamos de fora, conseguimos perceber mais os problemas, para tentar resolver de forma mais coerente”, complementa.


    Membros da comunidade


    Membros da comunidade        O membro da comunidade externa tem as mesmas atribuições que competem aos demais conselheiros, conforme estabelecido no Regimento Interno do CONSUN - entre elas, participar das sessões do Conselho, contribuindo no estudo, nos debates e na busca de soluções para os problemas em discussão. Os conselheiros têm, ainda, direito a voto nas tomadas de decisão e à participação em comissões e na relatoria de processos. O mandato dos representantes da comunidade externa é de um ano, com possibilidade de recondução por igual período. Entre os membros eleitos, já passaram pelo CONSUN representantes do Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz do Iguaçu e da Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI).    “Penso que é uma iniciativa válida de diálogo com a comunidade. Na maioria dos diálogos dos quais participei, houve pautas e trâmites muito específicos e inerentes à Universidade. Ao mesmo tempo, constitui-se um espaço de diálogo e de relacionamento que permite essa participação externa. A complexidade da UNILA se revela nesse ambiente, um espaço também de aprendizagem”, coloca Thaisa Praxedes Oliveira, representante da Fundação PTI, que assumiu em 2016 a vaga de conselheira externa no CONSUN.  Representações da Comunidade externa no CONSUN:    2013/2014  Aluízio Palmar (titular) - Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz do Iguaçu  Padre Carlos Sosa (suplente)    2014/2015  Padre Carlos Sosa (titular) - Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz do Iguaçu  Tathiana Guimarães (suplente)    2016  Thaisa Praxedes de Oliveira (titular) – Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI)  Fabiano Nogueira (suplente)    2017  Maria Elza Mendes (titular) – Associação Cidade Nova Informa  José Batista de Souza Filho (suplente)

    O membro da comunidade externa tem as mesmas atribuições que competem aos demais conselheiros, conforme estabelecido no Regimento Interno do CONSUN - entre elas, participar das sessões do Conselho, contribuindo no estudo, nos debates e na busca de soluções para os problemas em discussão. Os conselheiros têm, ainda, direito a voto nas tomadas de decisão e à participação em comissões e na relatoria de processos. O mandato dos representantes da comunidade externa é de um ano, com possibilidade de recondução por igual período. Entre os membros eleitos, já passaram pelo CONSUN representantes do Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz do Iguaçu e da Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI).

    “Penso que é uma iniciativa válida de diálogo com a comunidade. Na maioria dos diálogos dos quais participei, houve pautas e trâmites muito específicos e inerentes à Universidade. Ao mesmo tempo, constitui-se um espaço de diálogo e de relacionamento que permite essa participação externa. A complexidade da UNILA se revela nesse ambiente, um espaço também de aprendizagem”, coloca Thaisa Praxedes Oliveira, representante da Fundação PTI, que assumiu em 2016 a vaga de conselheira externa no CONSUN.
    Representações da Comunidade externa no CONSUN:

    2013/2014
    Aluízio Palmar (titular) - Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz do Iguaçu
    Padre Carlos Sosa (suplente)

    2014/2015
    Padre Carlos Sosa (titular) - Centro de Direitos Humanos e Memória Popular de Foz do Iguaçu
    Tathiana Guimarães (suplente)

    2016
    Thaisa Praxedes de Oliveira (titular) – Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI)
    Fabiano Nogueira (suplente)

    2017
    Maria Elza Mendes (titular) – Associação Cidade Nova Informa
    José Batista de Souza Filho (suplente)



    Por Botura Souza, Marcelo 
    01/11/2017 17:30Pm - Atualizado em 07.11.2017 11:00 min
    Fonte: Unila, Universidade Federal da Integração Latino-Americana
    <https://www.unila.edu.br/noticias/conselho-universitario-9>

    Este congresso visa promover a integração das áreas de atuação de Engenharias e Ciências Exatas, estimulando a formação de recursos humanos, bem como a qualificação dos profissionais ligados a estes campos de pesquisa. Para tanto, o evento contará com atividades nas quatro áreas do Centro de Engenharias e Ciências Exatas (CECE) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Campus de Foz do Iguaçu, reunindo, em alguns casos, as atividades vinculadas as suas semanas acadêmicas. Além disso, o evento busca proporcionar aos participantes uma visão ampla dos espaços de atuação do CECE, por meio da divulgação dos projetos de pesquisa abordados no âmbito desta instituição, além de divulgar os trabalhos e aplicações desenvolvidas na região e, consequentemente, despertar o interesse dos jovens acadêmicos para a pesquisa, gerando textos de qualidade que estimulem as áreas de estudo e atuação do centro. O III ConTECE visa à promoção do conhecimento científico e a integração dos acadêmicos com outros pesquisadores e profissionais ligados as áreas de atuação do CECE. Estão previstas a realização de três palestras específicas de cada área do conhecimento e uma palestra geral, minicursos e divulgações científicas na forma de pôsteres e comunicações orais, sendo que todas as atividades (submetidas por meio da página do evento na forma de trabalho completo ou resumo expandido) serão avaliadas por um Comitê Científico e publicadas nos Anais do Evento online. Salientamos, também, que o evento congregará as ‘semanas acadêmicas’ dos quatro cursos do centro, vindo este evento a substituir tais atividades individualizadas.  Datas importantes:  Submissão de artigos até 04/09/2017.  O valor da inscrição para estudantes até 04/09/2017 é de R$20,00, após essa data R$30,00, podendo ser feita até o dia 18/09/2017.  O pagamento das inscrições devem ser realizadas por meio de depósito bancário, Banco Itaú, Agência 4620, Conta Corrente 00300-6, Instituto de Tecnologia Aplicada e Inovação ITAI. CNPJ 01.573.107/0001-91.  O comprovante de depósito deve ser enviado para o email: contece2017@gmail.com.  https://midas.unioeste.br/sgev/eventos/IIIConTECE  As inscrições serão realizadas apenas pelo Sistema de Gerenciamento de Eventos - SGEV.  Os passos são os seguintes: Os interessados em participar do III Congresso de Tecnologia, Engenharias e Ciências Exatas deverão inicialmente ter que cadastrar-se no sistema de gerenciamento de eventos da Unioeste. Caso você ainda não possua acesso, basta acessar o link abaixo:  Solicitar Acesso ao Sistema SGEV  http://www.unioeste.br/sistemas/sgev/participar  Após solicitar o acesso, verifique sua caixa de correio eletrônico. O sistema enviará mensagem confirmando seu acesso ao sistema.  Para usuários da rede da Unioeste, após a solicitação de acesso, será utilizado o mesmo login utilizado em outros sistemas. Isto vale também para todos que já participaram de outros eventos.  Para quem já possui cadastro no sistema de eventos ou já realizou a solicitação de acesso, basta entrar no link abaixo:  Acesso ao Sistema SGEV  http://www.unioeste.br/sistemas/sgev


    APRESENTAÇÃO

    Este congresso visa promover a integração das áreas de atuação de Engenharias e Ciências Exatas, estimulando a formação de recursos humanos, bem como a qualificação dos profissionais ligados a estes campos de pesquisa. Para tanto, o evento contará com atividades nas quatro áreas do Centro de Engenharias e Ciências Exatas (CECE) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Campus de Foz do Iguaçu, reunindo, em alguns casos, as atividades vinculadas as suas semanas acadêmicas. Além disso, o evento busca proporcionar aos participantes uma visão ampla dos espaços de atuação do CECE, por meio da divulgação dos projetos de pesquisa abordados no âmbito desta instituição, além de divulgar os trabalhos e aplicações desenvolvidas na região e, consequentemente, despertar o interesse dos jovens acadêmicos para a pesquisa, gerando textos de qualidade que estimulem as áreas de estudo e atuação do centro. O III ConTECE visa à promoção do conhecimento científico e a integração dos acadêmicos com outros pesquisadores e profissionais ligados as áreas de atuação do CECE. Estão previstas a realização de três palestras específicas de cada área do conhecimento e uma palestra geral, minicursos e divulgações científicas na forma de pôsteres e comunicações orais, sendo que todas as atividades (submetidas por meio da página do evento na forma de trabalho completo ou resumo expandido) serão avaliadas por um Comitê Científico e publicadas nos Anais do Evento online. Salientamos, também, que o evento congregará as ‘semanas acadêmicas’ dos quatro cursos do centro, vindo este evento a substituir tais atividades individualizadas.

    Datas importantes:

    Submissão de artigos até 04/09/2017.

    O valor da inscrição para estudantes até 04/09/2017 é de R$20,00, após essa data R$30,00, podendo ser feita até o dia 18/09/2017.

    O pagamento das inscrições devem ser realizadas por meio de depósito bancário, Banco Itaú, Agência 4620, Conta Corrente 00300-6, Instituto de Tecnologia Aplicada e Inovação ITAI. CNPJ 01.573.107/0001-91.

    O comprovante de depósito deve ser enviado para o email: contece2017@gmail.com.

    As inscrições serão realizadas apenas pelo Sistema de Gerenciamento de Eventos - SGEV.

    Os passos são os seguintes:
    Os interessados em participar do III Congresso de Tecnologia, Engenharias e Ciências Exatas deverão inicialmente ter que cadastrar-se no sistema de gerenciamento de eventos da Unioeste. Caso você ainda não possua acesso, basta acessar o link abaixo:

    Solicitar Acesso ao Sistema SGEV

    http://www.unioeste.br/sistemas/sgev/participar

    Após solicitar o acesso, verifique sua caixa de correio eletrônico. O sistema enviará mensagem confirmando seu acesso ao sistema.

    Para usuários da rede da Unioeste, após a solicitação de acesso, será utilizado o mesmo login utilizado em outros sistemas. Isto vale também para todos que já participaram de outros eventos.

    Para quem já possui cadastro no sistema de eventos ou já realizou a solicitação de acesso, basta entrar no link abaixo:

    Acesso ao Sistema SGEV

    http://www.unioeste.br/sistemas/sgev
    Foto tira em 2017
    Bom dia! Sou Marcelo. Vou te explicar exatamente este momento do dia.
    Estou sentado numa pedra.
    Pedra?
    Sim, pedra grande. E nesta pedra, há uns 5 anos atrás, meu pai tirou uma foto dela para mostrar a situação de nossos pontos do bairro Cidade Nova.
    Sim! Hoje, estou aqui no ponto de ônibus. Céu está lindo. Vento está fresco. Um clima muito bom. E pessoas perto do ponto e que não estão sentadas. Mas, porquê as pessoas não sentam?
    Adivinha???
    Sim! Isso mesmo, não tem pedra para todos.
    Está vindo ônibus linha 10. Sem pedras para todos poderem sentar.

    Autor: Marcelo Botura Souza, Cursinho pre vestibular

    Foto tirada em 2012
    Uma comitiva formal (professores, técnicos e estudantes) da UNILA acompanhou o Reitor Gustavo Vieira, na última sexta-feira (7), a uma visita institucional ao bairro Cidade Nova. O grupo foi recebido pelas lideranças do bairro - Elza Mendes, José Batista, Pedrinho Aparecido, Lidionete Botura, Marcelo de Souza e Emanuela de Souza - que apresentaram a comunidade e relataram o histórico da relação entre os moradores do bairro e a UNILA.    No relato ficou explícito o protagonismo dos moradores do Cidade Nova na acolhida aos estudantes da UNILA. O Cidade Nova tornou-se, ao longo dos últimos três anos, a residência de parte dos estudantes da UNILA e o lugar do convívio alimentar - do corpo e da alma - para outros tantos. A comitiva tomou ciência dos trabalhos que são realizados entre os integrantes da UNILA e os moradores do Cidade Nova, tanto no plano humanitário, como no plano da produção do ensino-pesquisa-extensão.    Os temas prioritários da reflexão que abrem horizontes para os novos caminhos institucionais foram: alimentação (cozinha comunitária), acolhimento dos estudantes e biblioteca popular. Em contrapartida, no plano do intercâmbio institucional foram pensadas ações integradas – além das que já existem - que fortaleçam a comunidade nas suas demandas por políticas públicas concretas, além de apoiar em relação à questão da acolhida estudantil.    Na oportunidade, o Reitor expressou o interesse concreto de materializar políticas estruturantes que garantam a intensificação do fluxo de atividades entre a UNILA e a Comunidade do Cidade Nova nos temas apresentados pelas lideranças. Os integrantes da comitiva e o Reitor saíram do encontro com o compromisso de viabilizar institucionalmente políticas que garantam o intercâmbio acadêmico, social e cultural entre os dois espaços como plano prioritário e emergencial.

    Uma comitiva formal (professores, técnicos e estudantes) da UNILA acompanhou o Reitor Gustavo Vieira, na última sexta-feira (7), a uma visita institucional ao bairro Cidade Nova. O grupo foi recebido pelas lideranças do bairro - Elza Mendes, José Batista, Pedrinho Aparecido, Lidionete Botura, Marcelo de Souza e Emanuela de Souza - que apresentaram a comunidade e relataram o histórico da relação entre os moradores do bairro e a UNILA.

    No relato ficou explícito o protagonismo dos moradores do Cidade Nova na acolhida aos estudantes da UNILA. O Cidade Nova tornou-se, ao longo dos últimos três anos, a residência de parte dos estudantes da UNILA e o lugar do convívio alimentar - do corpo e da alma - para outros tantos. A comitiva tomou ciência dos trabalhos que são realizados entre os integrantes da UNILA e os moradores do Cidade Nova, tanto no plano humanitário, como no plano da produção do ensino-pesquisa-extensão.

    Os temas prioritários da reflexão que abrem horizontes para os novos caminhos institucionais foram: alimentação (cozinha comunitária), acolhimento dos estudantes e biblioteca popular. Em contrapartida, no plano do intercâmbio institucional foram pensadas ações integradas – além das que já existem - que fortaleçam a comunidade nas suas demandas por políticas públicas concretas, além de apoiar em relação à questão da acolhida estudantil.

    Na oportunidade, o Reitor expressou o interesse concreto de materializar políticas estruturantes que garantam a intensificação do fluxo de atividades entre a UNILA e a Comunidade do Cidade Nova nos temas apresentados pelas lideranças. Os integrantes da comitiva e o Reitor saíram do encontro com o compromisso de viabilizar institucionalmente políticas que garantam o intercâmbio acadêmico, social e cultural entre os dois espaços como plano prioritário e emergencial.


    Por Botura Souza, Marcelo
    10/07/2017 17:30Pm
    Fonte: Unila, Universidade Federal da Integração Latino-Americana
    <https://www.unila.edu.br/reitoria/visita-ao-bairro-cidade-nova-comunidade-e-sua-acolhida-aos-estudantes>



    Começou, na Biblioteca Comunitária Cidade Nova, Coletivo Makarenko (grupo de estudos, pesquisas e extensão da Unioeste, que coordeno) iniciou o Cursinho Popular na Cidade Nova, bairro da zona norte de Foz do Iguaçu, preparatório para concursos, Enem e vestibular. Já iniciou com muita qualidade  +Informações

    Começou, na Biblioteca Comunitária Cidade Nova, Coletivo Makarenko (grupo de estudos, pesquisas e extensão da Unioeste, que coordeno) iniciou o Cursinho Popular na Cidade Nova, bairro da zona norte de Foz do Iguaçu, preparatório para concursos, Enem e vestibular. Já iniciou com muita qualidade  +Informações

    Objetivo do II Jantar do CNI foi alcançando. Festa, linda, com o ambiente familiar. Agradecemos a todos que de uma maneira direta ou indireta ajudaram, comprando ingresso do jantar, fazendo doações, ajudando organizar a festa. Isso é fazer a diferença para com a comunidade. Todo o recurso arrecadado será em prol a manutenção da Biblioteca Comunitária- CNI. Vocês agora pode conferir alguns momentos da festa sob olhar do fotografo Paulo Uzander